sábado, 18 de setembro de 2010

Plano de Jogo

Caros colegas,
O texto que reproduzo abaixo é de autoria do colega Flavio Patricio Doro.


No xadrez como na vida, plano é projetar com antecedência aquilo que
você pretende fazer. É um conjunto de ações previsto de antemão, para
alcançar uma meta a partir do cenário atual. É a "rota" por meio da
qual se pretende sair do ponto A e chegar ao ponto B.

Planos podem ser de curto ou de longo prazo; podem ser genéricos ou
específicos; podem ser mal ou bem elaborados. Mas sempre pressupõem
um conjunto de ações, de lances, tendo em mente um determinado
objetivo que é desejável mas não pode ser alcançado imediatamente
(porque, se pudesse, não seria preciso planejar, certo?).

Exemplos de plano genérico:

- Atacar na ala do rei;
- Trocar o máximo de peças para explorar a vantagem de um peão (que
já se obteve);
- Avançar a maioria de peões para coroar um deles.

Exemplos mais específicos:

- Atacar a casa h7 para induzir as pretas a jogar ...g6, criando uma
debilidade nas casas pretas que possa ser explorada.
- Transferir o bispo de e7 a b6 por meio da manobra ...c6, ...Bd8,
etc., para torná-lo mais eficaz e apontar para o roque inimigo.
- Preparar o avanço f2-f4 por meio de g2-g3, Nf3-h4, etc., com a
finalidade de obter a iniciativa da partida.

Mais uma vez devo mencionar o livro Piense como un Gran Maestro, de
Kotov, que aborda o tema do planejamento, especialmente a importância
da flexibilidade. Algumas afirmações típicas desse autor são:

- O tipo de plano que o jogador tende a considerar sofre influência,
principalmente, das características da posição; no entanto, a
personalidade do jogador também pesa.
- Em geral não há um plano para a partida toda, mas sim uma série de
pequenos planos concebidos sucessivamente durante a partida.
- Seja flexível. Se o adversário faz um lance inesperado que muda a
posição por completo, por que persistir num plano que não mais se
adapta à nova situação? Nesses casos é preciso conceber outro plano.

Estratégia Moderna do Xadrez, de Pachman, é formado essencialmente
pela ilustração dos planos de jogo considerados mais adequados para
as características da posição. Por exemplo, quem tem a vantagem de
dois bispos contra bispo e cavalo deve procurar abrir a posição; quem
tem peões dobrados ou atrasados deve tentar evitar que eles sejam
bloqueados; quem tem peões isolados ou suspensos deve procurar evitar
trocas de peças e tentar preparar o avanço do peão da dama à quinta
fila. O livro aborda dezenas de situações relativamente comuns,
explica suas características e dá uma sugestão ou orientação acerca
de como proceder em cada caso.

[]s
Flavio
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário