domingo, 7 de julho de 2013

Desenvolvimento

A regra nos diz que um movimento de Peão na fase de desenvolvimento só é admissível quando é destinado a ocupar o centro do tabuleiro ou, pelo menos, tenha uma conexão lógica com essa ocupação. Ou seja, por exemplo, quando o movimento de Peão irá proteger o seu próprio centro ou irá atacar o centro do adversário.

Nas partidas abertas, após 1.e4,e5 jogar um d3 ou d4 logo em seguida, ou um pouco mais tarde, é sempre considerado um movimento correto.

Então, se apenas os movimentos de Peões descritos anteriormente são admissíveis, isso significa que os movimentos de Peões efetuados nas alas são pura perda de tempo.

Nesta forma de ver, em partidas fechadas, a regra aplica-se apenas de forma limitada, já que o contato com o inimigo não é completo e o desenvolvimento procede-se de uma forma mais lenta.

Resumindo:

Nas partidas abertas, a primeira lei do desenvolvimento é a velocidade. Cada peça só deve ser movimentada uma única vez.

Todo movimento de Peão deve ser considerado como perda de tempo, a menos que ele vá ocupar seu próprio centro ou atacar o centro do adversário.

Ou seja, como Lasker mesmo observou: na abertura, no máximo, um ou dois movimentos de Peões, nada mais que isso!

Estar à frente no desenvolvimento: esse é o ideal a ser alcançado!

Ir para frente e depois ter que voltar com a mesma peça sem um objetivo específico, é pura perda de tempo.

Por isso, e sempre que for possível, devemos fazer movimentos que, ao mesmo tempo que desenvolve uma peça, aproveita para atacar uma peça do adversário.

Vejamos o diagrama abaixo:

FEN : rnb1kbnr/ppp1pppp/8/3q4/8/2N5/PPPP1PPP/R1BQKBNR b

Essa é uma posição típica após jogados os seguintes lances:

1.e4,d5 ; 2.exd5,Qxd5 ; 3.Nc3

As pretas perderam um tempo pois terão que voltar com sua Dama, enquanto que as brancas, além de desenvolverem seu Cavalo, atacaram a Dama preta, tudo no mesmo lance.


 

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Xeque perpétuo



O xeque perpétuo acontece quando um dos jogadores coloca o Rei do adversário repetidamente e em seqüência, em xeque sem, contudo, conseguir o xeque mate.
Esse artifício é utilizado, normalmente, quando se está em posição inferior no tabuleiro e seu objetivo não é dar o xeque mate e sim conseguir o empate pela tripla repetição de posição.
Exemplo:
 

 
FEN : 5rk1/8/8/8/4Q3/q7/2P5/1K6 w
Jogam as brancas.
A posição mostrada pelo diagrama acima mostra um caso simples de xeque perpétuo.
As pretas ameaçam o xeque mate com 1.____,Rf1++ ou 1.____,Rb8++, por isso as brancas têm de lutar para tentar, pelo menos, o empate.
Isso é conseguido da seguinte forma:
1.Qg6+,Kh8 ; 2.Qh6+,Kg8 ; 3.Qg6+
Que resulta na posição original e volta toda a seqüência novamente, caracterizando-se o xeque perpétuo.
Outro exemplo:
 

FEN : r5k1/3RR3/8/4p3/4Pp2/2q2P2/8/1K6 w
Jogam as brancas.
Nesta posição, as pretas estão prestes a dar xeque mate nas brancas com Ra1++ e as brancas precisam evitar isso de qualquer forma, tentando arrancar um empate.
Ele é conseguido jogando-se:
1.Rg7+,Kh8 ; 2.Rh7+,Kg8 ; 3.Rhg7+,Kf8 ; 4.Rgf7+,Ke8 ; 5.Rfe7+ e assim por diante.
 

 

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Dúvida

Caros colegas,
Um pequeno trecho dos comentários sobre arbitragem do AI Antonio Bento:
 
Resultado errado - Jogador A vence a partida, mas as planilhas entregues registram vitória do adversário. O resultado permanece?
Pergunta: Num torneio aberto, no nervosismo de uma partida, involuntariamente, o jogador inverte a anotação na súmula da partida, registrando o lance das brancas no campo das pretas e vice-versa. E no final da partida entrega a súmula com a assinatura dos dois jogadores, mas com o resultado trocado. Obviamente, o árbitro faz o emparceiramento com base nos escores constantes das planilhas. No início da rodada seguinte os dois jogadores percebem o equívoco e alertam ao árbitro, que não aceita a reclamação (as regras do torneio eram claras, valeria o resultado registrado na súmula). Deveria o árbitro refazer o emparceiramento, mesmo atrasando a rodada, ou é absoluta a regra de que vale o escore que está escrito na planilha assinada pelos dois jogadores?

Resposta: Vejamos o que diz a lei do xadrez sobre episódios da espécie: "Terminada a partida, ambos os jogadores devem assinar as duas planilhas, indicando o resultado do jogo. Mesmo se incorreto, este resultado permanece, a menos que o árbitro decida de outra forma." (art. 8.7)

Como se pode observar o legislador deixou a critério do árbitro, manter ou não, o resultado registrado nas planilhas entregues. Em princípio, o resultado - mesmo que incorreto - permanece. O árbitro pode todavia decidir de outra forma.

Conclusão: O árbitro agiu corretamente. É claro que o emparceiramento da rodada, após oficialmente divulgado (tornado público), não pode ser modificado, exceto no caso de violação de critérios absolutos, consoante o disposto no FIDE HANDBOOK C.06.

Fiquei com uma pequena dúvida sobre o "fair play" no xadrez....!!!
Já que os dois jogadores notaram e alertaram o árbitro sobre a irregularidade acontecida, não seria de bom senso o árbitro acatar o alerta e marcar o resultado correto desenrolado no tabuleiro? 

Regras do Xadrez

Um pequeno trecho dos comentários sobre arbitragem do AI Antonio Bento:
 
Resultado errado - O que acontece quando o jogador reclama de erro do resultado de uma partida disputada em rodadas anteriores?
Pergunta: Logo depois da cerimônia de encerramento de um torneio disputado no ritmo de xadrez rápido, de 5 rodadas, um dos jogadores reclama de um resultado errado de uma partida da terceira rodada. Confirmado o erro e constatado que se lhe fosse atribuído o ponto da 3ª rodada o jogador alcançaria a terceira posição e teria direito ao troféu do 3º lugar. Como o árbitro deve proceder numa situação dessas?

Resposta: "Dormientibus non sucurrit jus" O direito não socorre aos que dormem, é o que diz o aforismo jurídico.
Significa dizer que não devemos demorar para buscar a proteção dos nossos direitos.
Nos torneios de xadrez rápido e relâmpago a anotação é facultativa uma vez que os "jogadores não precisam anotar os lances da partida" conforme o estipulado no apêndice B3 da Lei do Xadrez.
Logo, é praxe internacional, o jogador que vencer a partida comunicar o resultado para a arbitragem.

Conclusão: É inconcebível que o jogador não acompanhe a divulgação dos resultados, pontuações e emparceiramentos das rodadas. Assim, considerando que o jogador não reclamou, em tempo hábil, o resultado registrado no emparceiramento da terceira rodada, mesmo que incorreto, deve permanecer mesmo porque o direito do referido jogador prescreveu pela inércia.

Resumindo: bobeou.....dançou....!!!

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Você sabia?

Que o xadrez está presente no épico francês "Huon de Bordeaux", escrito no século XIII?
Nesta obra, que contém também elementos de romance, o herói, de mesmo nome do título, é um cavaleiro que, depois de matar involuntariamente Charlot, filho do Imperador Carlos Magno, é condenado à morte. Porém, tem uma chance de sobreviver se cumprir satisfatóriamente uma série de tarefas que lhe são impostas.
Todas as tarefas são, aparentemente, impossíveis de serem cumpridas, porém Huon passa pelo teste, com a ajuda do Rei das fadas Oberon.
Uma dessas tarefas de Huon era jogar uma partida de xadrez com a princesa. Caso ele perdesse, seria morto. Caso ele vencesse, teria a princesa como esposa. Ele venceu...!!!
 

Abertura escocesa


Após os lances 1.e4,e5 ; 2.Nf3,Nc6 ; 3.d4 produz-se a chamada "Abertura Escocesa".
 
 


FEN : r1bqkbnr/pppp1ppp/2n5/4p3/3PP3/5N2/PPP2PPP/RNBQKB1R b
Esta abertura visa o domínio do centro através do avanço do Peão d já no terceiro lance.
A continuação mais comum é:
3.____,exd4 ; 4.Nxd4,Nf6 ; 5.Nc3,Bb4 ; 6.Nxc6,bxc6 ; 7.Bd3
 

FEN : r1bqk2r/p1pp1ppp/2p2n2/8/1b2P3/2N1B3/PPP2PPP/R2QKB1R b
Neste ponto, surgem duas opções para as pretas:
7.____,0-0 ou
7.____,d5
Eu, particularmente, gosto mais da segunda.